quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Corte.

Entre o banco e a vida, entre a vida e a praça, entre a praça e a avenida,
entre a avenida e a chama, entre a chama e o cano, entre o cano e a cama,
entre a cama e a palma, entre a palma e a pluma, entre a pluma e a calma.

Entre a garganta e a santa, entre a santa e o mundo, entre o mundo e quem canta,
entre o canto e a alegria, entre a alegria e o chá, entre o chá e a alergia,
entre a alergia e a tinta, entre a tinta e a pele, entre a pele e a pinta.


Entre o curativo e o corte.
Entre o certo e a sorte...



Entre a vida e a morte.

7 comentários:

Paulo Henrique Motta disse...

muito bem bolado, hein!!

Lari disse...

ei becs, abri meu blog.
e putz, adorei o jogo de palavras, bem barroco conceptista. beijooooooooooooos!

Mauricio disse...

lari é chique
uheytehuheueh

eu gostei, é complexo e simples ao mesmo tempo, barroco, né?

Celo Aglio disse...

Parabéns!

Não é sempre que se encontra um jogo de palavras ermas com tanto sentido!

Tiago Faller disse...

Simplesmente impecável, beck! =)

O jogo de palavras foi muito bem usado e, como já foi dito, ainda assim fez total sentido.

Parabéns!

Anderson disse...

*-*
você escreve muito bem!
gosto daqui hehe

beijos.

Lari disse...

Becs, é lari,
fiz um blog novo pq aquele perdi a senha, hahaha.

me add, ja te adicionei!
beijooooooooos
posta mais, mesmo com mauri ai!
siodadioasd
:*